sábado, 11 de agosto de 2012

Se você mora ou morou na Cidade Nova, em Feira de Santana, com certeza já ouviu falar de “Seo Tininho”


Altino Carneiro da Silva, poucos conhecem, mas “Seo Tininho” fez história e marcou por quase duas décadas o cotidiano da Cidade Nova, com seu humor fino e a arte de conquistar pessoas

Segundo domingo de agosto, Dia dos Pais. Em 2012, exatamente o dia 12, tradicional para celebrar-se a data comemorativa. Já se vão 22 anos desde que o pai mais compreensivo, amoroso, amado e idolatrado, se foi da vida terrena, chamado pelo Grande Arquiteto do Universo para cumprir a etapa seguinte da sua vida. Se nem o Rei dos Reis, Jesus Cristo, conseguiu ser unânime não vamos aqui cometer a heresia de dizer que Seo Tininho o foi, mas ele chegou perto, muito perto.

Julho de 1971, desembarcamos em Feira de Santana, mais precisamente no Conjunto Cidade Nova, com menos de dois anos de entregue a população e contando com cerca de 10% das casas habitadas. Para os padrões da época, era um bairro longe do centro da cidade e com poucas opções de compras, inclusive da cesta básica. Com sua experiência de “venda”, - hoje conhecidas como mercearias, - o caminho natural de Seo Tininho era o comércio, ainda incipiente no bairro.

 Assim nasceu a “venda do Seo Tininho” na principal rua da Cidade Nova, que ele chamava de “Mercearia Carneiro”, mas que nunca teve uma placa indicativa e, assim sendo, prevaleceu mesmo a denominação popular. Até o seu falecimento em abril de 1990, Seo Tininho cumpriu “expediente” das 6 da manhã às 10 da noite, de segunda a segunda. Foram 19 anos atendendo a população, ouvindo suas queixas, sendo “juiz de paz” aqui, conselheiro matrimonial ali, socorrendo muitos com as vendas a prazo, - era o “fiado” mesmo, -  mas acima de tudo, construindo uma legião de amigos. Como todo mortal, tinha suas manias e convicções: quando abria a venda às 6 da matina, não fazia a primeira venda se não fosse a dinheiro. Se tinha um “freguês de caderneta”esperando para comprar algo a prazo, ele tinha que aguardar o primeiro cliente comprar com dinheiro para, em seguida, fazer sua compra fiado. No dia 31 de dezembro, ele avisava a todos os que utilizam a “caderneta”:  “comprem hoje, porque amanhã é o primeiro dia do ano e eu não vendo fiado...” Era o estilo Seo Tininho de ser.

Não me recordo de ter ouvido ninguém dizer que tinha algo contra Seo Tininho. Quando sou apresentado a alguém que o conhecia e me identifico como filho dele, ouço sempre comentários elogiosos. Nasceu com o dom de agradar as pessoas e não fazia qualquer esforço para isto. Soava naturalmente a sua boa índole, incapaz de levantar a voz ou fazer um comentário infeliz. Os mais jovens que ainda moram na Cidade Nova e adjacências, ainda comentam: “já comprei muito sonho e Qsuco de morango na venda de Seu Tininho...”

A venda evoluiu e hoje ostenta o nome de “Mercadinho Seo Tininho”, uma das casas comerciais mais antigas de Feira de Santana, com 41 anos de existência ininterrupta. Como atrativo adicional, as quintas e sextas-feiras pode-se apreciar o melhor espetinho da cidade.

Neste Dia dos Pais, quero homenagear o meu pai, Altino Carneiro da Silva, “Seo Tininho”, divulgador e conhecedor que foi do “samba de Ipirá”, ícone e um dos mais célebres moradores da Cidade Nova, mas acima de tudo  O MELHOR PAI DO MUNDO! A bênção meu pai, amo você profundamente e sinto demais a sua falta. Que Deus ilumine o seu caminho, sempre!

Euriques Carneiro

Um comentário:

  1. Infelizmente não tive o prazer de conhecê-lo, mas Deus sabe de todas as coisas...tenho certeza que ele está olhando por nós e orgulhoso de você, meu amor, que é o "cordão de ouro" dele. Uma justa homenagem!

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!