sábado, 21 de julho de 2012

Titãs comemoram 30 anos de carreira com "Cabeça de Dinossauro"


Turnê da banda , intitulada `Titãs, 30 anos`, apresenta "Cabeça de Dinossauro" e tem reedição de luxo do histórico álbum



Comemorando 30 anos de carreira, os "Titãs" estão em turnê com uma reedição do histórico show "Cabeça Dinossauro", álbum emblemático e referência do grupo paulistano que promete um show histórico hoje noCuritiba MASTER Hall, fone 3248-1001. A casa abre às inicia 21h30 e o show 0h30. A banda é atualmente formada pelos fundadores Branco Mello, Paulo Miklos, Sergio Brito e Tony Bellotto e pelo baterista convidado Mario Fabre. Considerado pelos músicos como a imagem mais fiel da síntese musical e ideológica do grupo à época, o disco, o terceiro da carreira dos Titãs, apresenta clássicos como "Polícia", "Bichos Escrotos", "Homem Primata" e o ´cartão de visita´ “Cabeça Dinossauro”. 


O grupo toca todas as músicas de um de seus mais célebres e reconhecidos trabalhos, com os arranjos originais e na sequência em que foram editadas no disco. As canções de "Cabeça Dinossauro", influenciadas principalmente pelo punk rock, trazem letras corrosivas e irônicas, retratando a rebeldia de um período político complicado no país. A apresentação na cidade conta também com outras músicas que vieram antes e depois de Cabeça Dinossauro, mas que mantém o mesmo espírito roqueiro, aguerrido e irônico. Agora, no ano em que os "Titãs" comemoram 30 anos de carreira, "Cabeça Dinossauro" ganha uma reedição de luxo, inédita na história do Brock: o álbum original foi remasterizado e vem acompanhado de um segundo CD, com a demo tape que originou o LP. 


O disco clássico, gravado em abril no concorrido estúdio carioca Nas Nuvens, foi a primeira das bem-sucedidas parcerias da banda com o produtor Liminha. Já a demo foi registrada no fim de fevereiro, em apenas dois dias no Estúdio Mosh, em São Paulo. O CD 2, com as gravações antes de serem lapidadas, é uma joia rara para os fãs e conta a história de um LP que trazia uma unidade sonora e conceitual poucas vezes alcançada com tanta precisão. A única descartada, “Vai pra Rua” (Arnaldo Antunes e Paulo Miklos), cantada por Arnaldo, só agora vem à tona nesse registro inédito. Ela acabou substituída por “Porrada”, que não estava na demo. Com letra incisiva e arranjo forte, “Porrada” era um soco no estômago, mais potente, prioridade dos Titãs quando entraram no estúdio carioca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!