sábado, 14 de julho de 2012


O poeta Bule Bule foi o convidado musical do  “Aprovado”, da TV Bahia, neste sábado, 14. Ao longo do programa contou histórias, mostrou sua capacidade de improvisar e cantou algumas das suas impagáveis composições


Sábado, 14, 08:30 da manha, ligo o televisor para assistir o “Aprovado”, com Jackson Costa e seu vistoso bigode cultivado para viver um personagem do ramake da novela Gabriela. O mote do programa foi a história da cidade de Camaçari, desde a sua fundação, mostrando ainda os paradisíacos distritos como Vilas de Abrantes e Barra do Jacuipe.
O entrevistado maior do programa foi Bule Bule, um dos ícones da cultura popular baiana. Nascido Antônio Ribeiro da Conceição, em 22 de outubro de 1947, na Cidade de Antônio Cardoso(BA), é musico, escritor, compositor, poeta, cordelista, repentista, ator e cantador. Ao longo dos seus mais de trinta e oito anos de carreira gravou  seis CDs  (Cantadores da Terra do Sol,  Série Grandes Repentistas do Nordeste, A fome e A vontade de Comer, Só Não Deixei de Sambar, Repente Não Tem Fronteiras e Licutixo).

Publicou ainda quatro livros   (Bule Bule em Quatro Estações, Gotas de Sentimento, Um Punhado de Cultura popular, Só Não Deixei de Sambar), mais de oitenta cordéis e ainda participação em vários seminários como palestrante, várias peças teatrais e publicitárias agraciadas pelo Prêmio Colunista.

Bule Bule vive há décadas em Camaçari, cidade à qual ele declara seu amor e diz ser sua segunda terra natal. O poeta é repentista da escola de Ivanildo Lima Nova e Bráulio Tavares, os dois maiores representantes do gênero no país. Dentre a extensa obra de Bule Bule, destaco aqui duas belíssimas composições: “Só não deixei de sambar” e “Em defesa do forró”, ambas gravadas por Quininho de Valente, outro legítimo representante da autentico forró pé de serra, com sua vasta expertise acompanhando o Trio Nordestino e mais de uma dezena de discos gravados na sua carreira solo.

Quininho de Valente: intérprete das boas canções de Bule Bule

Ao longo do programa, Bule Bule fez várias intervenções contando sua história, cantando e improvisando. Em uma dessas aparições, citou uma frase impagável para definir sua arte: “repentista é aquele que tira uma frase de onde não tem, para colocar onde não cabe...”

A benção poeta Bule Bule. A cultura brasileira lhe agradece e celebra a sua arte e a sua existência. Que Deus continue lhe abençoando.

Euriques Carneiro 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!