segunda-feira, 2 de abril de 2012

O Spielberg faz a diferença




Há décadas, Holywood roda filmes sobre histórias com cavalos, muitas delas com enorme sucesso, a exemplo de Corcel Negro, mas no novo filme de Steven Spielberg que chega ao Brasil, é a sempre competente direção do cineasta de tantos sucessos, (A Cor Púrpura, longe das suas melhores obras, mas que lhe deu louros na década de 90 e os fantásticos O Resgate do Soldado Ryan e A Lista de Schindler) que faz a diferença. 

O filme, de início com uma narrativa desenxabida, ganha contornos quase épicos quando a ação se desenvolve no campo de batalha. Marcando um ponto de corte entre as lutas de espadas e escudos e o uso de armas pesadas, a cavalaria é conduzida a um papel secundário, diante do poderio de canhões e metralhadoras.

Resumo da ópera: Cavalo de Guerra está longe de ser um excelente filme, mas quando modelado pelo artista Spielberg, se torna um belo filme, uma ótima opção para quem não gostou da densidade de A Cor Púrpura, mas também não quer sofrer junto com personagens de A Lista de Schindler. 


Um comentário:

  1. Eu percebo que nós não buscamos o GRANDE FILME, mas o BELO FILME. Esse nos prende a atenção, a respiração e nos faz, ao final da sessão, dizer: Quero ver de novo. E concordo com o que você disse sobre O Resgate do Soldado Ryan e A Lista de Schindler. Dois Belos Filmes. Que graças a Deus foram parar nas mão de Spielberg.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!