segunda-feira, 1 de junho de 2020

Por motivos diferentes, atos e protestos antifascistas eclodem nos EUA e no Brasil

A história perdida dos Antifas, o popular movimento antifascista ...

Os protestos que vem convulsionando os Estados Unidos desde 25 de maio como reação à morte de George Floyd, mais um cidadão negro executado sumariamente pela polícia branca do país, trazem de volta à cena política o Antifa

Nascido na Europa dos anos 1930, o movimento suprapartidário se espalha pelo mundo como resistência aos governos de extrema-direita e tem sua história contada por Mark Bray em Antifa – O manual antifascista.

O livro foi lançado em agosto de 2017, quando manifestações de supremacistas brancos deixaram uma militante antifascista morta e mais de 30 feridos em Charlottesvile, na Virginia.

“Os fascistas chegaram ao poder pelas vias legais”, diz a primeira lição do livro, que foi publicado em português ano passado pela Autonomia Literária. O símbolo do movimento dominou os protestos que, no domingo, 31 de maio, tomaram a Avenida Paulista em favor da democracia. No mesmo dia, Donald Trump tuitou: “OS EUA classificarão o Antifa como grupo terrorista”.

Alguns fatos merecem uma visão mais acurada, tais como a marcha de Mussolini em Roma, que foi só uma encenação com o ob­jetivo de legitimar o convite anterior para que ele for­masse um governo. O Putsch de Munique de Hitler, em 1923, fracassou completamente. Sua ascensão final ao poder veio quando o presidente Hindenburg o nomeou chanceler. A lei que lhe concedeu plenos poderes foi aprovada pelo parlamento.

Antifa (Estados Unidos) – Wikipédia, a enciclopédia livre

Para os militantes antifascistas, esses fatos históri­cos põem em questão a fórmula liberal de oposição ao fascismo. A essência dessa fórmula é a crença no debate racional para se contrapor às ideias fascistas, na polícia para se contrapor à violência fascista, e nas instituições republicanas para se contrapor às tentativas fascistas de tomar o poder. Sem dúvida, essa fórmula funcionou algumas vezes. Mas em outras tantas não funcionou.

Onde quer que tenha havido revolução, houve con­trarrevolução. Para cada Tomada da Bastilha, houve um Termidor. Depois da Comuna de Paris, cente­nas foram executadas e milhares foram presos e de­portados. Mais de cinco mil presos políticos foram assassinados e 38 mil pessoas foram detidas após a fracassada Revolução Russa de 1905, quando tam­bém ocorreram 690 pogroms antissemitas, que ma­taram mais três mil judeus.7 Os radicais europeus e as minorias étnicas conhecem bem a violência rea­cionária tradicional.

No entanto, o fascismo representava algo novo. Suas inovações ideológicas, tecnológicas e burocrá­ticas abriram as portas para que a Europa promo­vesse em seu próprio território as guerras de exter­mínio que ela havia exportado para todo o mundo por meio do imperialismo e do genocídio.

Brasil 2020

Torcidas organizadas criam 'linha de frente' na resistência ...
Desde o início da quarentena imposta pela pandemia de Corona vírus, o Brasil assiste semanalmente manifestações de apoio ao governo eleito em 2018, mas nenhuma havia gerado tanto barulho nas ruas como o ato convocado por torcidas antifascistas na avenida Paulista, no último domingo. 

Torcedores esqueceram a rivalidade no campos futebolístico e deram-se as mãos em defesa da democracia, coletivos originários do futebol também realizaram protesto coordenado em pelo menos outras 15 cidades, a exemplo de Belo Horizonte, Porto Alegre e Rio de Janeiro, onde torcedores dos principais clubes cariocas engrossaram não só empunhando a bandeira do antifascismo mas também em uma marcha contra o racismo que vem ceifando vidas, notadamente nas comunidades mais pobres das grandes cidades.

A articulação do movimento partiu de grupos identificados com o antifascismo, embora lideranças de torcidas organizadas como Gaviões da Fiel e Torcida Jovem do Santos, tenham apoiado e participado dos atos. Também endossou os protestos a Associação Nacional das Torcidas Organizadas (Anatorg), que conta com mais de 200 afiliadas e faz questão de frisar que a manifestação “não é de direita ou esquerda”, mas em oposição a movimentos ultraconservadores, supremacistas e fascistas.

A oposição ao governo federal não é consenso nas torcidas organizadas e gerou desconforto entre membros que preferem evitar a associação a movimentos antifascistas. Uma das maiores organizadas do São Paulo, a Dragões da Real afirmou que, embora se considere uma organização antifa, não pretende orientar seus sócios a seguirem uma orientação política específica. “O que nos une é o São Paulo Futebol Clube. Fora disso, cada um que escolha seu caminho. Não se pratica democracia com ato antidemocrático.


Referência:
 MARK BRAY

João Pernambuco dedicou-se ao recolhimento de temas folclóricos e foi um destacado artista do século XX


Olá! Como estás?: Sons de carrilhões (João Pernambuco)

Grande conhecedor de músicas sertanejas nordestinas e já também compositor, João Pernambuco conheceu outro ícone da cultura nordestina, Catulo da Paixão Cearense, com quem passou a compor cantigas inspiradas neste folclore

João Teixeira Guimarães, violonista e compositor nasceu em 2/11/1883, em Jatobá-PE e morreu em 16/10/1947, no Rio de Janeiro-RJ, sendo o terceiro dos onze filhos de Manuel Teixeira e Teresa Vieira, uma descendente de portugueses. 

Após a morte do pai, sua mãe casa-se com Eugênio Alves Mendes e a família se muda para Recife em busca de melhores condições de vida. É na capital pernambucana que João aprende o ofício de ferreiro, ao mesmo tempo em que começa a tocar viola, frequentando animadas rodas de cantadores, repentistas e violeiros no mercado da cidade.

Em 1904, com 21 anos, chegou ao Rio de Janeiro. O oficio de ferreiro garantia seu sustento, mas era extremamente desgastante com até 16 horas diárias de trabalho, além de não ser aconselhado a um violonista. Contudo, João sempre arrumava tempo para tocar seu violão e contar histórias de sua cidade natal, fato que lhe rendeu o apelido: João Pernambuco. Mudou-se para uma república na Rua Riachuelo, na Lapa, onde conheceu Donga e Pixinguinha que lá moravam. Em 1908 passa a trabalhar como calceteiro (trabalhador que calça ruas com pedras ou paralelepípedos) com um maior desgaste das mãos, mas com um salário maior e uma jornada de trabalho menor. Em 1910 intensificou suas aparições nos meios musicais como a tradicional Festa da Penha, onde os compositores lançavam suas novas composições para o carnaval do ano seguinte.
João Pernambuco (1983) | Brasil Memória das Artes

Sua carreira artística é marcada por sua atuação como instrumentista e compositor de canções com a temática sertaneja. Em 1912 realiza sua primeira gravação como solista de violão, época também que inicia sua parceria com Catulo da Paixão Cearense que nos rendeu canções como Luar do Sertão, Engenho de Humaitá e Caboca de Caxangá. Esta última música foi sucesso no carnaval de 1913, quando foi lançada pelo Grupo do Caxangá (conjunto criado por João que utilizava roupas típicas do sertão nordestino como sandálias de couro, lenços no pescoço e chapéus de palha), que atuou entre os carnavais de 1913 e 1919. Ao longo dos anos vários músicos como Pixinguinha, Donga, Bonfiglio de Oliveira, Quincas Laranjeiras e Nelson Alves passaram pelo grupo que foi desfeito para dar origem ao famoso Os Oito Batutas, grupo do qual João também participou em formações posteriores.

Na década de 1920 passou a dar aulas na loja O Cavaquinho de Ouro. Lembramos que a prática de manter grandes instrumentistas como professores nas lojas de música ajudava a aumentar sua clientela. Na década de 1930, a convite de Villa-Lobos, João passou a trabalhar como contínuo na Superintendência de Educação Musical e Artística, podendo se dedicar ainda mais a composição e ao violão.

João Pernambuco | Musica Brasilis

De 1926 a 1930 gravou parte de sua obra para violão, interpretando obras como Sons de Carrilhões (1926), Magoado (1926), Reboliço (1930), Recordando (1930), Dengoso (1930), dentre outras. João Pernambuco foi homenageado por diversas vezes com regravações de sua obra para violão. Dentre os discos citamos Caio Cézar Interpreta João Pernambuco – Volume 1 (Carrilhões, CD/1992); João Pernambuco, o Poeta do Violão (Eldorado, CD/1997) e Descobrindo João Pernambuco (Eldorado, CD/1999) com Leandro Carvalho; Baden: João Pernambuco e o Sertão (SESC-SP, CD/2000), com Baden Powell.

A obra de João Pernambuco é extremamente importante na consolidação de um caráter essencialmente brasileiro em nossos choros, polcas e maxixes. Sons de Carrilhões foi uma das peças brasileiras mais gravadas mundo a fora. O musicólogo Mozart Araújo afirmou que João é para o violão brasileiro o que Ernesto Nazareth representa para o piano e Villa-Lobos chegou a declarar que “J. S. Bach não se envergonharia de assinar os estudos de João Pernambuco”.

Fonte: https://www.viamusical.com.br/

domingo, 31 de maio de 2020

Martin Luther King Jr | A trajetória do maior líder do ativismo negro da história


Morte de homem negro causada pela polícia gera onda de protestos ...

A morte de George Floyd está gerando nos EUA a maior onda de protestos desde a década de 60, quando a população se revoltou e travou uma luta em defesa da igualdade racial 


Tentando inibir a onda de protestos, toques de recolher foram ordenados em diversas cidades pelos EUA mas a revolta provocada pela morte de um homem negro sob custódia policial não para de crescer. As ordens estão longe de atingir o efeito desejado, elas foram desafiadas e, em alguns locais, está havendo ocorrências como lojas saqueadas, carros queimados e prédios atacados. Tropas de choque estão usando gás lacrimogêneo e balas de borracha na tentativa de conter os protestos.

A revolta que reúne pessoas de todas as raças e mostram toda a indignação diante da atitude do policial que asfixiou Floyd até a morte, bem como dos seus colegas que a tudo assistiram, sem interferir. Como não poderia deixar de ser, os fatos trouxeram de volta a luta sem violência empreendida por Luther King, 6 décadas atrás.


HistóriaMartin Luther King: Vida e Política do sonhador - Incrível História

Martin Luther King Jr. dedicou sua vida à luta não violenta pela igualdade racial nos Estados Unidos. A terceira segunda-feira de janeiro marca o Dia de Martin Luther King, feriado dos EUA que honra o legado de King e desafia os cidadãos a prestarem serviços voluntários em suas comunidades.

Início da jornada

Nascido em 15 de janeiro de 1929 em uma família com longa tradição de formar ministros batistas, King cresceu em Atlanta na época em que as leis de Jim Crow faziam da segregação e da discriminação uma realidade diária para as pessoas negras do sul do país. King estudou na Faculdade Morehouse em Atlanta, onde passou a ver a religião como um poderoso catalisador de mudanças sociais. Ele concluiu seu doutorado na Escola de Teologia da Universidade de Boston antes de voltar ao sul, onde atuou como pastor na Igreja Batista Dexter Avenue em Montgomery, Alabama.

Hoje, o local de nascimento de King em Atlanta está registrado no Serviço Nacional de Parques como Patrimônio Histórico Nacional (site em inglês).

Luta pelos direitos civis - 1950

King ajudou a organizar o boicote aos ônibus de Montgomery, uma campanha que durou um ano e teve início quando a costureira Rosa Parks foi presa após ter se recusado a ceder seu assento no ônibus a um passageiro branco. Após a Suprema Corte ter revogado as leis de segregação em ônibus do Alabama, King participou da fundação da Conferência da Liderança Cristã do Sul e promoveu a ação não violenta em prol dos direitos civis no sul do país. Ele foi influenciado pelos ensinamentos de Mahatma Gandhi e viajou para a Índia em 1959.

Uma figura icônica dos anos 1960
Martin Luther King - Biografia, luta contra segregação racial e ...

Juntando-se a seu pai como pastor da Igreja Batista Ebenezer em Atlanta, King continuou a usar seus dons de oratória para exigir o fim da segregação e da desigualdade jurídica. Ao longo dos anos 1960, ele foi preso durante protestos não violentos no Alabama, na Flórida e na Geórgia. Enquanto estava preso em 1963, King escreveu a Carta de uma prisão em Birmingham, delineando a base moral e filosófica do movimento pelos direitos humanos. Naquele mês de agosto, ele fez seu famoso discurso “Eu tenho um sonho” para mais de 200 mil pessoas reunidas no National Mall em Washington.

O dia 7 de março de 1965 ficou conhecido como Domingo Sangrento porque manifestantes em prol do direito ao voto foram agredidos por policiais estaduais e civis enquanto atravessavam a ponte Edmund Pettus em Selma, no Alabama. A violência os fez recuar, mas o calvário levou King a convocar uma outra marcha, mais longa (foto) — de Selma a Montgomery pelo direito ao voto, de 87 quilômetros de extensão.

Vitórias dos direitos civis

Em 1964, o presidente Lyndon Johnson sancionou a histórica Lei dos Direitos Civis, que baniu a discriminação no trabalho, em acomodações públicas e em outros aspectos da vida. King participou da cerimônia que transformou a lei em lei federal (imagem). Ele continuou pressionando para que houvesse uma lei que garantisse que o direito ao voto não fosse negado a pessoas negras por meio de práticas discriminatórias como testes de alfabetização e, em 1965, Johnson sancionou a Lei do Direito ao Voto. King recebeu o Prêmio Nobel da Paz por seus esforços em 1964.

Vida após assassinato
Biografia de Martin Luther King - eBiografia

No dia 4 de abril de 1968, King foi assassinado na sacada do quarto do hotel onde estava em Memphis, no Tennessee. Em seu funeral, milhares de pessoas marcharam em luto através de Atlanta, seguindo a charrete que levava seu caixão.

Em um ensaio publicado postumamente intitulado “Um Testamento de Esperança”, King instou a população negra americana a dar continuidade a seu compromisso com a não violência, mas alertou também ao fato de que “a justiça para as pessoas negras não pode ser alcançada sem mudanças radicais na estrutura de nossa sociedade”.
O legado de King

Martin Luther King | Frases sobre coragem, Citações, Frases ...

* Protesto sem violência
Em 1959, em um pronunciamento no rádio durante sua visita à Índia, King disse: “Hoje, não temos mais escolha entre violência e não violência; trata-se de não violência ou não existência. ” Sua filosofia foi inspirada pelas ações não violentas de Gandhi com o objetivo de encerrar o colonialismo britânico na Índia. Por sua vez, King inspirou inúmeras outras pessoas a mudarem suas sociedades por meios não violentos, desde o movimento Solidariedade contra a ocupação soviética na Polônia, até a luta de Nelson Mandela pelo fim do apartheid na África do Sul.

* Luta contra o preconceito


Em 1963, durante a Marcha a Washington, King declarou que todas as pessoas deveriam ser julgadas “não pela cor de sua pele, mas pelo conteúdo de seu caráter”. O King Center (site em inglês) em Atlanta é um memorial vivo à visão de King de um mundo livre e igualitário dedicado a expandir oportunidades, lutar contra o racismo e acabar com todas as formas de discriminação. 

* Em busca da justiça social
O Instituto de Pesquisa e Educação Martin Luther King Jr. (site em inglês) da Universidade de Stanford abriga o King Papers Project, uma abrangente coleção de todos os discursos, correspondências e outros escritos de King para preservar seu compromisso vitalício de criar uma “comunidade amada” para futuras gerações. O instituto está envolvido também na iniciativa Liberation Curriculum e na Comunidade Gandhi-King, ambas utilizando a vida e as ideias de King para conectar ativistas sociais do mundo inteiro e promover os direitos humanos. 

* Trabalho pelos outros


O Dia de Martin Luther King é designado como o dia nacional do serviço (site United We Serve, em inglês) desde 1994. Os americanos são instados a celebrarem “um dia de ação, não um dia de descanso” para honrar o compromisso de King de melhorar a vida de outras pessoas. O presidente Obama promoveu o serviço e o voluntariado como maneiras fundamentais de superar os desafios com que nosso mundo se depara.
Mantendo o sonho vivo

Um memorial nacional a King foi construído próximo ao Lincoln Memorial, onde King fez seu discurso “Eu tenho um sonho”. O Memorial convida os visitantes a refletirem sobre a vida e o legado de King. 

Os 90 anos do eterno Dirty Harry, o ator e diretor Clint Eastwood

How To Bring DIRTY HARRY Back To The Big Screen – TINSELTOWN TAKEDOWN
Neste domingo, 31, uma das mais marcantes personagens do cinema, Clint Eastwood, completa 90 anos mas diz que não pensa em aposentadoria e que tem muito a fazer pela sétima arte

O ator que se tornou um diretor consagrado, vencedor de quatro estatuetas nos Óscares, e que nos últimos 10 anos lançou nove filmes, mantém-se entusiasmado com o trabalho, mesmo com uma carreira de sete décadas, com mais de 50 filmes, o mais recente deles O Caso Richard Jewell. O filme recebeu opiniões mistas e foi alvo de algumas críticas por mostrar uma jornalista que trocava sexo por segredos do FBI.

Mas a carreira de Eastwood resistiu a outras polêmicas, desde as acusações de violência excessiva nos western spaghetti em que participou como ator, de fascismo em Dirty Harry e belicismo em American Sniper, até à sua representação do racismo em Gran Torino.

Além dos Óscares recebidos por Imperdoável e Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos, e da Palma de Ouro do Festival de Cannes pelo conjunto de sua carreira, o catálogo de Eastwood também contém alguns fracassos, massacrados pela crítica.

Conhecido em Hollywood como um homem educado, mas relutante em conversar sobre a sua vida pessoal, Eastwood insinuou que estaria a trabalhar em alguns projetos futuros, mas não tinha confirmado nenhum plano antes da pandemia de covid-19 paralisar todas as produções em março.

"Faço o que gosto"
Clint Eastwood - AdoroCinema

Numa entrevista em janeiro, Eastwood afirmou ao canal britânico ITV que ainda tem muito prazer em trabalhar: "Gosto de fazer isto, é bom poder ter um emprego remunerado", declarou. "Gosto de estar em filmes, gosto de fazer filmes. Comecei a realizar filmes porque pensei que um dia iria olhar para a tela e dizer: 'Já basta Eastwood, é melhor fazer outra coisa'".

Mas afinal isso não aconteceu. Apesar de ter anunciado que deixaria de representar depois de Gran Torino em 2008, Eastwood voltou a aparecer em frente das câmaras quatro anos depois em As Curvas da Vida e, em 2018, em Correio de Droga.
All You Need To Know About Clint Eastwood: The Exceptional Life Of ...

Noutras entrevistas, Clint Eastwood disse que não entende por que é que cineastas tão importantes com Billy Wilder e Frank Capra se retiraram tão cedo e expressou o desejo de continuar a trabalhar enquanto tiver projetos interessantes.


"Ele é bastante imprevisível", disse Tim Gray, da revista Variety. "Tenho a sensação de que agora faz apenas o que deseja fazer".

Além de continuar a supervisionar as atividades de sua produtora, Malpaso, Eastwood, que foi presidente da câmara de Carmel (1986-88), continua ativo politicamente: apoiou nos últimos meses a fracassada campanha de Michael Bloomberg à presidência.

Na verdade, Eastwood não é muito fã dos aniversários. "Faremos algo familiar, muito, muito tranquilo", afirmou seu filho Scott, 34 anos e também ator, ao Access Hollywood. Mas com oito filhos e muitos netos, Eastwood certamente será muito celebrado no domingo: "Ele odeia aniversários", afirmou sua filha Alison à revista Closer no ano passado. "Acho que ele só quer trabalhar e aproveitar a vida, mas não acredito que queira celebrar... Então veremos".

sexta-feira, 29 de maio de 2020

O bioma do Pantanal será mostrado em duas produções do Smithsonian Channel




O Smithsonian Channel, lançado no Brasil no dia 26 de abril, anunciou as duas primeiras produções originais brasileiras encomendadas pelo canal, abordando uma das joias da biodiversidade nacional: O Pantanal

São dois documentários sobre o Pantanal, totalmente filmados em 4K: Jaguarland e Brazil’s Emerald Oasis (títulos provisórios). Cada especial terá uma hora de duração e tem previsão de estreia no Smithsonian Channel para este ano, no Brasil e em outros países onde o canal está presente.
Smithsonian Channel estreia suas primeiras produções gravadas no ...
Jaguarland acompanha a população de onças-pintadas que habita uma área relativamente pequena do Pantanal, conhecida como “a terra do jaguar”. A região concentra a maior população do felino no mundo. Nessas terras úmidas e exuberantes, as onças-pintadas caçam jacarés e capivaras, e chegam a alcançar até o dobro do peso médio de indivíduos da mesma espécie que vivem em outros biomas. 

Os grandes felinos são um grande atrativo para os turistas que visitam o Pantanal e, embora consideradas uma ameaça em outros tempos, hoje as onças-pintadas são valorizadas para a prática do ecoturismo. 

Smithsonian Channel lança documentários sobre biodiversidade ...

Brazil’s Emerald Oasis, por outro lado, apresentará ao público o espetáculo de vida selvagem que se forma às margens do chamado “lago rebelde”, no período da seca. Conhecido como “o lago que nunca seca”, as águas do local atraem uma impressionante variedade de animais nos meses de estiagem – incluindo antas de quase 300 quilos, graciosos colhereiros (aves pernaltas que vivem em terrenos pantanosos) e uma infinidade de jacarés e onças-pintadas.

Os documentários são coproduzidos pela produtora brasileira Canal Azul Filmes e pela britânica Plimsoll Productions Ltd. para a Smithsonian Networks. Ambos os especiais contam com a produção executiva de Luis Antônio Silveira, pelo Canal Azul, e de Martha Holmes e Andrew Jackson, pela Plimsoll Productions, e são produzidos e dirigidos por Steve Cole. Lawrence Wahba assina como diretor de fotografia, enquanto Tria Thalman e David Royle são os produtores executivos pelo Smithsonian Channel.
Fonte: http://revistadecinema.com.br/


“A Noite dos Cristais” marca a guinada de violência da Alemanha nazista contra os judeus


Conib diz que comparação de Weintraub com Noite dos Cristais é ...
Organizada pelo então ministro da Propaganda da Alemanha, Joseph Goebbels, a “Noite dos Cristais” é considerada o primeiro ataque físico da ditadura nazista contra os judeus e foi, na prática, o prelúdio do que ficou conhecido como holocausto
Durante a semana em curso, um ministro citou “A Noite dos Cristais” em uma postagem em uma rede social, gerando uma grande curiosidade sobre o tema, razão pela qual, essa matéria foi formatada.

Noite da perseguição

Noite dos Cristais, o que foi? História, como ocorreu e práticas ...

O infame evento foi um grande pogrom organizado pelo governo nazista contra os judeus na Alemanha entre 9 de novembro e 10 de novembro de 1938. A palavra pogrom é utilizada para se referir a um ataque violento organizado contra determinado grupo. O pogrom Noite dos Cristais foi realizado pelo governo alemão contra a população judia que residia no país.

Esse evento é visto de maneira simbólica por muitos historiadores, pois consolidou a guinada de violência na Alemanha contra os judeus e deu, de fato, abertura ao processo de encarceramento de judeus em campos de concentração. Até então, as ações contra judeus eram realizadas nos campos político e jurídico (apesar de ataques violentos também acontecerem). Com a Noite dos Cristais, a mensagem dada para os judeus era de que a violência contra eles aumentaria consideravelmente.

“[A ‘Noite dos Cristais’] É o marco dessa perseguição nazista, o início da destruição dos judeus. Foi a partir dessa noite que ficou claro que os judeus seriam fisicamente destruídos na Alemanha e na Áustria. Já não era mais um discurso, uma teoria; a ameaça passou a se concretizar” (Marcio Pitliuk)

O nome “Noite dos Cristais” dado a esse pogrom faz menção aos cacos de vidros que se espalharam pelas grandes cidades alemãs, decorrentes da destruição de vidraças de lojas que pertenciam a judeus. 


Por que aconteceu o pogrom contra os judeus em 1938?

Os planos de Hitler para os judeus da Alemanha eram simples: o líder da Alemanha tinha como objetivo máximo expulsar todos os judeus de seu país. A ideologia nazista era extremamente antissemita, e esse ódio já era manifestado na sociedade alemã desde o século XIX.

Naquele momento, em 1938, a situação dos judeus era extremamente delicada em diversos sentidos, pois sofriam cada vez mais com a discriminação que existia na sociedade alemã e muitos de seus direitos civis e liberdades individuais estavam sendo retirados pelos nazistas. O pogrom de 1938 inaugurou a fase da violência e do aprisionamento dos judeus. 
A infame Noite dos Cristais, prenúncio do Holocausto, completa 80 ...

A Noite dos Cristais foi organizada pelo Partido Nazista como uma resposta ao assassinato do diplomata alemão Ernst vom Rath. O diplomata residia em Paris e foi vítima de um atentado realizado por Herschel Grynszpan, estudante judeu de 17 anos. Esse estudante era polonês de nascimento, mas cresceu na Alemanha e estava revoltado por seus pais terem sido expulsos do país.

No dia 8 de novembro de 1938, Grynszpan foi à embaixada alemã em Paris com um revólver na intenção de assassinar o embaixador alemão na França. O estudante polonês, no entanto, acabou vitimando o diplomata Ernst vom Rath. Esse episódio foi utilizado pelos nazistas para reforçar a propaganda antissemita na Alemanha.

Logo após a notícia do atentado espalhar-se, ataques contra judeus foram organizados espontaneamente na Alemanha. O que veio a seguir, porém, foi uma ação coordenada pelo governo nazista que aconteceu em todo o território alemão. Hitler e Goebbels, ministro da propaganda nazista, reuniram-se e decidiram usar o caso para atacar a comunidade judia.

As ordens de Hitler e de Goebbels para os membros do partido foram diretas e ordenavam que ataques contra os judeus fossem organizados no país. Esses ataques, porém, deveriam acontecer de uma maneira que aparentasse não envolver o governo alemão. A ideia, portanto, era fazer com que o ataque contra os judeus passasse a impressão de ação espontânea da população.

Com essa ordem transmitida, os funcionários do Partido Nazista começaram a entrar em contato com líderes partidários locais e com as tropas de assalto, passando-lhes instruções de como proceder no ataque contra judeus. 
As instruções incluíam algumas ordens:

· Não deveriam acontecer pilhagens (saques);

· Judeus estrangeiros não deveriam ser atacados em hipótese alguma;

· Lojas judaicas não deveriam ser incendiadas para não danificar propriedades de alemães.

Com as instruções fornecidas, os grupos de nazistas, a maioria vinculada às tropas de assalto (SA), mobilizaram-se e partiram para o ataque contra os judeus. A maior parte dos que participaram da Noite dos Cristais estava sem uniforme, uma vez que o ataque deveria parecer espontâneo, sem nenhuma vinculação com o partido. 

As consequências da Noite dos Cristais 

A Noite dos Cristais tinha sido, até aquele momento, o maior ataque organizado pelos nazistas contra os judeus na Alemanha. Apesar de toda a agressão já praticada, a Alemanha ainda não havia presenciado um ataque daquela proporção contra os judeus em todo o país. Os membros do nazismo foram incentivados pelo alto-comando a praticar violência contra os judeus, e a polícia alemã foi instruída a não impedir esses ataques, além de ter sido orientada a prender os judeus.

Muitos dos que participaram do pogrom comemoravam os 15 anos do Putsch da Cervejaria, tentativa de golpe realizada pelos nazistas na Baviera em 1923. A escalada da violência foi sem precedentes. Os nazistas atacaram sinagogas, lojas e residências judias por todo o país. Além disso, milhares de pessoas foram agredidas e muitas morreram em decorrência das agressões. 
A Noite dos Cristais (1938) - Resumo - História - Escola Educação

O historiador Richard J. Evans fez um resumo do estrago causado durante o pogrom realizado em 1938:

· Registraram-se 520 sinagogas destruídas. No entanto, essa quantidade, provavelmente, foi superior a 1000.

· Entre 7500 e 9000 lojas de judeus foram destruídas.

· Oficialmente, 91 pessoas morreram durante os ataques, mas o número real de mortos pode ter sido superior a 1000.

· 30 mil pessoas foram presas e encaminhadas para campos de concentração.

· Os prejuízos materiais foram calculados em 39 milhões de reichsmarks.

Após o ápice dos ataques, muitos judeus mudaram-se dos locais onde viviam, temerosos que novos ataques acontecessem. Outros ficaram escondidos em suas casas, temendo ser agredidos caso aparecessem nas ruas. Os 30 mil judeus presos foram encaminhados para três campos de concentração: Dachau, Buchenwald, Sachsenhausen. O pogrom foi encerrado por meio de uma ordem emitida por Goebbels em 10 de novembro de 1938

Referência: historiadomundo.com.br


quinta-feira, 28 de maio de 2020

The Ickabog | O novo livro de JK Rowling não se trata de uma continuação da série Harry Potter


 J.K. Rowling anuncia novo livro chamado The Ickabog e que será ...



A autora do megassucesso Harry Potter, J. K. Rowling anuncia uma nova história para o público infantil e que os primeiros capítulos de "The Ickabog" estará disponível online, gratuitamente, até 10 de julho

O anúncio foi pela escritora através da sua conta de Twitter e começa logo com uma chamada de atenção importante: "Isto não é um spin-of de Harry Potter". Ou seja, não se trata de uma continuação das aventuras de Harry Potter nem usa qualquer das personagens dos livros anteriores, é uma história completamente diferente.

Numa série de tweets, JK Rowling conta que "The Ickabog" é, na verdade, uma história de fantasia escrita há mais de 10 anos e que entretanto ficou esquecida, guardada numa caixa no sótão da autora. As duas únicas pessoas que já conheciam essa história eram os dois filhos da escritora. 


Há algumas semanas, Rowling decidiu ir buscar essa caixa empoeirada: "Abrir a caixa foi como entrar numa cápsula do tempo. A maior parte da história foi escrita à mão, mas algumas partes foram datilografadas", conta. Ele pegou nesses papéis e usou-os como um primeiro rascunho, reescrevendo e acrescentando novos capítulos para assim criar esta nova história.

Assim, "The Ickabog" começou a ser revelado aos leitores desde a última terça-feira e a ideia é ir disponibilizando no novo site criado para o efeito um (ou dois ou três) capítulo todas as semanas até 10 de julho. Além disso, a autora pede aos leitores para se inspirarem na história e fazerem desenhos - as melhores ilustrações serão escolhidas para a edição em papel que está prevista para novembro.

JK Rowling informa ainda que todos os lucros obtidos serão doados para projetos ligados ao combate à covid-19. 


Fontehttps://www.dn.pt/cultura

O Pacto de Munique que Hitler mandou às favas e a célebre frase de Winston Churchill


Pacto de Munique: a política da Europa que permitiu a expansão ...


O Pacto de Munique, um acordo no qual a Alemanha incorporaria um território de Sudeta, foi assinado por Itália, França e pelo Reino Unido que aceitaram as exigências de Adolf Hitler, desde que ele não reivindicasse nenhum outro território europeu
Este pacto, firmado em 29 de setembro de 1938, fixou a aceitação por parte do Reino Unido e França da exigência de Adolf Hitler de que o território checoslovaco dos Sudetas (habitado maioritariamente por alemães) passaria a pertencer à Alemanha. Os líderes alemães locais reivindicavam que o governo checo discriminava o povo Sudeta, e a Alemanha apoiou a autodeterminação. 


Numa série de negociações que começaram em agosto de 1938, a cessão do território Sudeta à Alemanha tinha já sido acordado quase desde início por parte dos participantes do pacto. O Reino Unido e a França, desesperados por evitar a guerra, aceitaram as exigências de Adolf Hitler na condição de que este não reivindicasse nenhum outro território europeu. Chamberlain esperava que as concessões feitas à Alemanha relativamente à região Sudeta incentivassem a Alemanha a tornar-se um país forte e pacífico na Europa. 

Tour Munique no 3º Reich/ Munique Nazista - Guia Brasileira em Munique

O pacto, assinado pelo primeiro ministro Neville Chamberlain pelo Reino Unido, primeiro-ministro Édouard Daladier pela França, Adolf Hitler pela Alemanha, e Benito Mussolini pela Itália, determinou as condições sob as concessões feitas.


O Pacto de Munique fixou 1 de Outubro de 1938 como sendo a data para a evacuação do território checoslovaco. A ocupação por parte dos alemães dos quatro distritos especificados devia ocorrer em etapas sucessivas entre 1 e 7 de outubro. Os restantes territórios cuja população era maioritariamente de origem alemã deviam ser observados por uma comissão internacional composta por delegados da França, Alemanha, Reino Unido, Itália e da Checoslováquia.

Desonra e Guerra

No dia 30 de setembro, ao desembarcar no antigo aeroporto de Heston, em Londres, Chamberlain proclamou o infame discurso “Peace in our time. Foi recebido com festa por todos que colocaram seus delírios e utopias pacifistas acima da realidade.

"Eu voltei da Alemanha com a paz em nosso tempo". Esse trecho dos discurso ficou marcado por seu valor irônico, visto que a ocupação alemã dos Sudetos se iniciou no dia seguinte.
Winston Churchill, ao falar sobre o acordo, presenteou o mundo com uma das suas mais famosas frases:
Brasil Soberano e Livre: "Entre a desonra e a guerra, escolhestes ...

O desenrolar da história é sobejamente conhecido pois em 10 de março de 1939, Hitler ignora solenemente o acordo e invade a antiga Tchecoslováquia. Em 1 de setembro, a Alemanha ataca a Polônia e está deflagrada a Segunda Guerra Mundial.

Referência: http://pt.worldwar-two.net/

quarta-feira, 27 de maio de 2020

O regresso do drive in e a sensação de assistir a filmes e espetáculos dentro do carro


Foz do Iguaçu terá o primeiro cine drive-in - Clickfoz do Iguaçu

A pandemia do novo Corona vírus obrigou que ambientes com pouca circulação de ar fossem interditados e as salas de cinema ao redor do mundo se viram obrigadas a encerrar suas atividades

A alternativa para este cenário tem sido o retorno dos cinemas drive-in, com todos juntos, mas cada um no seu carro: esta é a solução de vários promotores culturais para responder às restrições da covid-19. Neste verão o drive in estará outra vez na moda

Era uma coisa fora de moda afinal, os cinemas drive in viveram a sua época áurea nas décadas de 1950 e 1960 e, para muitos de nós, nunca passaram de uma daquelas coisas que víamos nos filmes antigos (como por exemplo em Os Embalos de Sábado à Noite) mas que nunca de facto experimentámos.

E forma muitos os fatores que tornaram o drive in inviáveis como questões de segurança nas médias e grandes cidades, o conforto dos cinemas com ar refrigerado e com sistema de som avançados, sem contar a grande febre dos nossos tempos que é ver um filme em casa.

Mas quis o destino que a pandemia de covid-19 trouxesse a resposta a esta pergunta: os drive in são uma maneira segura de sair de casa para ver um filme (ou assistir a outro espetáculo), mantendo a distância em relação às outras pessoas. Dentro do carro, por detrás dos vidros, há uma sensação de segurança, ao mesmo tempo que se experimenta um momento de lazer e em comunidade. Não admira por isso que um pouco por todo o lado, da Austrália aos EUA, passando pela Lituânia ou pela Alemanha, os drive in estejam renascendo. 


Espetáculo em Portugal
Estúdio33 Drive IN de Luis de Matos inicia espectáculos inéditos ...

O ilusionista Luís de Matos decidiu aproveitar o facto de já ter um espaço para preparar o espetáculo Luís de Matos Drive -in, com estreia marcada (e já esgotada) para o dia 5 de junho. Este é um one man show, desenhado para acontecer no parque de estacionamento, com várias sessões pelo menos durante o mês de junho.

Cada veículo paga 50 euros, independentemente do número de ocupantes, para entrar num enorme recinto (dez mil metros quadrados), onde os carros se alinham em frente do palco.

A organização garante que o espetáculo "recorre à mais moderna tecnologia em matéria de áudio, vídeo e comunicação wireless, no absoluto respeito de todas as medidas de segurança exigidas no momento que estamos vivendo. As famílias chegam, sintonizam a frequência rádio indicada, participam e regressam a suas casas sem nunca sair das viaturas, numa mistura única de procedimentos e criatividade que permitem experimentar algo de único, especial e inesquecível". 


Drive-in no Brasil
Cine Drive-In amplia sessões no fim de semana após sucesso na ...

E o Brasil não ficou fora dessa tendência e a Fundação Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, pretende inaugurar um drive-in ainda em maio, com sessões entre terça e domingo. A ideia é começar exibindo um filme por dia, e dependendo do sucesso, passar para dois nos finais de semana.

Em São Paulo, o Allianz Parque, estádio do Palmeiras, também está se preparando para receber o público para sessões de cinema. Previsto para começar a funcionar até o início de julho, o projeto “Arena Sessions” também deve contar com shows e palestras para o público acompanhar de dentro do carro.

A saúde dos oceanos a partir do COVID-19 e o que fazer até 2030


ONU alerta para o aumento do nível dos oceanos - ECO21

Após a “COP Azul” (a COP 25 do clima), cujos impactos políticos reais precisarão ser avaliados além da forte mobilização da sociedade civil, 2020 é apresentado como um “Super Ano” para o oceano

Mas o que realmente podemos esperar? E como seria um 2020 de sucesso para a conservação dos oceanos? , havia a previsão de vários eventos importantes e prazos políticos no horizonte, mas a pandemia do COVID-19 alterou completamente a vida no planeta terra.

Por vários meses, a frase foi repetida como um mantra: 2020 será um “Super Ano” para os oceanos e ao tempo em que todos os eventos previstos para o 1º foram suspensos, o isolamento social e a redução das atividades em todo o mundo, - aí incluídas a movimentação nos oceanos, - acabaram por trazer benefícios inimagináveis em tempos normais.

Lixos e dejetos que eram lançados no oceano foram drasticamente reduzidos desde o mês de abril e o que se vê é para atestar que o homem é o grande inimigo do meio ambiente.

Há décadas acompanhamos a degradação do oceano e as inúmeras ameaças como as alterações climáticas, expansão térmica, acidificação, ondas de calor, desoxigenação, sobrepesca, pesca ilegal e até os plásticos que colocam em causa a sustentabilidade do oceano. 


Como acabar com o lixo nos oceanos?

É inegável, no entanto, que essa pandemia, e a retirada de cena de milhares de humanos das ruas e da vida como a conhecíamos, teve já um efeito positivo em alguns dos maiores ecossistemas do planeta e isso também nos deverá levar a refletir sobre a forma como pretendemos viver e desenvolver-nos na era pós-covid-19. 

Manifesto Azul

Movimento liderado pela Oceana, Mares em Risco, BirdLife Europe, ClientEarth, Surfrider Foundation Europe e WWF lançou o Manifesto Azul, um documento que estabelece ações para recuperar os oceanos da degradação e da poluição, com medidas voltadas tanto para a terra quanto para o mar. A iniciativa reúne ao todo 102 organizações não governamentais e esteve em discussão na Semana do Oceano 2020, realizada de 3 a 9 de fevereiro, em Bruxelas, na Bélgica.

A proposta é colocar os holofotes sobre as ameaças enfrentadas por espécies e habitats marinhos, oferecendo soluções reais sobre como resolvê-las. As organizações convidam cidadãos, instituições e partes interessadas a discutir os desafios enfrentados pelos oceanos e comunidades costeiras. 


Blue Manifesto: O novo plano para a Europa tornar os oceanos ...

O Manifesto foi enviado aos líderes da União Europeia (UE) e exige:

Mudança completa de todas as pescarias para modalidades de baixo impacto;
• Fim da poluição marinha;
• Implementação de atividades humanas que apoiem a restauração de ecossistemas marinhos; e
• Proteção de pelo menos 30% dos oceanos até 2030.

A situação dos ecossistemas marinhos em todo o mundo é preocupante, como referido pelos recentes relatórios divulgados pelo Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e pela Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas da ONU sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos.

De acordo com as organizações, seguir as recomendações apresentadas no Manifesto Azul colocará a Europa no caminho certo para preservar os oceanos que são fundamentais para a vida na Terra.

Com o Pacto Ecológico Europeu, a Comissão Europeia comprometeu-se a implementar estratégias reais de clima e biodiversidade que mudarão o investimento e a legislação para um futuro resiliente e ecologicamente diversificado. As ONGs pedem agora à Comissão Europeia a garantia que o oceano seja parte integrante dessas estratégias, seguindo as diretrizes propostas no Manifesto.

Referência: https://brasil.oceana.org/pt